Uma operação realizada nesta quinta-feira (5) pela Corregedoria da Polícia Militar prendeu em flagrante quatro policiais militares em Adamantina por porte ilegal de armas de fogo. Um deles tem a patente de capitão e os outros três atuam como cabos da corporação. Uma quinta pessoa presa durante a operação foi uma advogada, que é esposa de um dos policiais militares envolvidos.

Os presos pagaram fianças, cada uma no valor de R$ 1.045, e acabaram liberados pela Justiça comum.

No entanto, os policiais permaneceram presos para responderem a outros crimes pela Justiça Militar.

A operação, que recebeu o nome de "Lucas 12:2", faz referência a um versículo da Bíblia, que diz: "Mas nada há encoberto que não haja de ser descoberto. Nem oculto que não haja de ser sabido".

A Corregedoria da Polícia Militar cumpriu nesta quinta-feira (5) mandados de busca e apreensão contra policiais militares, em Adamantina.

O Oitavo Comando de Policiamento do Interior (CPI-8), responsável pelo policiamento na região de Presidente Prudente, informou à TV Fronteira que as ações de polícia judiciária militar são oriundas de investigações de inquérito policial militar instaurado pela Corregedoria.

“Tais ações são decorrentes das atividades de depuração interna que a PM realiza a fim de manter sólida a hierarquia e disciplina da Instituição garantindo à população transparência, qualidade e legitimidade na prestação de serviços”, finalizou a PM.

Veja mais notícias em G1 Presidente Prudente e Região.